Câimbras em gestantes: normal?

     Boa parte das gestantes relatam problemas com câimbras (contrações musculares involuntárias e dolorosas), principalmente na segunda metade da gravidez. São várias as causas desses problemas:
1 – Com o crescimento do feto, a futura mãe tem que suportar um “peso” bem maior durante todo o dia. Com isso, a circulação nos membros inferiores pode não ser adequada, principalmente se ficar muito tempo em pé ou se não tiver uma boa postura corporal. A consequência aparece principalmente à noite: as câimbras nos dedos do pé, nas panturrilhas, nas coxas ou na virilha.
2 – O “bebê” em crescimento consome muitos sais minerais, podendo causar uma carência, principalmente de cálcio, de potássio e de magnésio, para o corpo da mãe, o que leva a essas câimbras.
3 – Com o aumento do peso do corpo da mulher, haverá necessidade de um esforço muito maior por parte dela para que consiga executar as tarefas que sempre realizou. Assim, há uma maior fadiga muscular, que pode culminar em câimbras.

O que fazer para evitá-las?
     É importante que a gestante tome alguns cuidados e/ou medidas preventivas:
- Ter uma alimentação balanceada, com um consumo adequado de cálcio (leite e derivados), de potássio (banana), de magnésio (amêndoas, nozes, leite e cereais), de vitamina B6 (batata, banana, abacate e peito de frango) e de vitamina C (morango, mamão, laranja, goiaba...). Converse com seu médico sobre a necessidade ou não de tomar um suplemento alimentar, rico em vitaminas e sais minerais.

- Manter sempre uma postura correta, seja sentada, deitada ou em pé.
- Usar meias elásticas
- Evitar refrigerantes e o uso de salto alto
- Não ficar muito tempo em pé e fazer atividades físicas regulares (não intensas)
- Elevar os pés sempre que possível. De preferência, coloque algo sob os pés, para mantê-los ligeiramente elevados durante a noite
- Fazer massagens e alongamentos nas regiões citadas antes de dormir
- Não fumar
- Não usar roupa, sapato ou cinto apertados

Já estou com câimbras, e agora?
      Se for nos dedos, flexione-os, segurando-os nessa posição por alguns segundos; na panturrilha, quando começar a câimbra, fique em pé, soltando o peso sobre as pernas. Outra medida é esticar a perna e puxar os dedos do pé em direção ao joelho; nas coxas, deite e peça para alguém esticar suas pernas para cima e segurar alguns segundos, para alongar os músculos do local; na virilha, faça a abdução da perna (esticá-la para o lado, afastando uma da outra).
     Caso as dores sejam muito intensas e não desapareçam, procure um médico com urgência, pois há possibilidade de inflamações nos vasos sanguíneos, entre outros problemas.

Autor: Wésley de Sousa Câmara